sexta-feira, 22 de fevereiro de 2008


Um dia desses estava conversando com uma senhora no terminal, ela pediu pra eu ajudá-la com as compras pra botar no ônibus, ela começou a reclamar dos preços dos materiais escolares, que comprou pra neta um livro de R$68,00, falou que tava tudo caro, que pra quem vivia só com um pouco mais do que um salário mínimo, e ainda falou que tinha pagado tudo à vista, agora não sei como uma pessoa que ganha um pouco mais do que um salário paga uma parada de mais de R$600,00 à vista, e ainda reclama da educação, que a neta dela tinha de estudar em escola particular, porque a escola pública não oferece a educação necessária, que o governador nem o presidente liga para o nosso estado. Eu não entendo esse povo, quando o neoliberalismo está no poder, reclama, quando entra um que, visivelmente melhora o país, economicamente falando, quando o dólar vai lá pra baixo, o país com um respeito internacional muito grande, não que Lula seja "O Presidente", mas de todos esses anos, o menos pior foi ele, pelo menos nada fica escondido, a PF pode trabalhar como deve, e sem mais milongas, ele não privatizou nada, aí vão dizer: "A Vale do Rio Doce tá produzindo mais do que quando era estatal!" Certo, mas garanto que se ele não vendesse por 3 bi estaríamos com uma dívida externa bem menor não acha? No mais, deixarei vocês com uma passagem de Luís Fernando Veríssimo com uma crônica dele: O povo, recomendo a todos esta crônica, muito boa, se puderem, leiam-na.

(...) "Responda, sem meias palavras: haveria os problemas de trânsito se não fosse pelo povo? O povo é um estorvo.
É notória a incapacidade política do povo. O povo não sabe votar. Quando vota, invariavelmente vota em candidatos populares que, justamente por agradarem ao povo, não podem ser boa coisa.(...)
O povo não tem a mínima cultura. Muitos nem sabem ler ou escrever. O povo não viaja, não se interessa por boa música ou literatura, não vai a museus. O povo não gosta de trabalho criativo, prefere empregos ignóbeis e aviltantes. Isto quando trabalha, pois há os que preferem o ócio contemplativo, embaixo de pontes. Se não fosse o povo nossa economia funcionaria como uma máquina. Todo mundo seria mais feliz sem o povo. O povo é deprimente. O povo deveria ser eliminado."

"O povo": O popular, 3ª ed., Porto Alegre, L&PM, 1982

8 comentários:

André Correia disse...

É o gordinho
tava na hora hein
de att aqui!
ótimo texto gordinho!
Tá mais lulista que eu, e tenho dito
kkkkkkkkkkkkkk

Atualize mais aqui doid
ponha as novidades do teatro sergipano aqui tbm..
flsss!!

André Correia disse...

A revolta em pessoa
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Fox disse...

Sorry. Look please here

Monalisa disse...

Pode crer Rafa, a culpa do país tá uma bosta é da merda do povo msmo! O ser humano é um lixo realmente..
kkkkkkkkkkkkkkkkk!

;*

Ísis Paloma disse...

Pois é meu godinho, que mundo injusto, como dizem uns com tanto outros com tao pouco, o que falta nas pessoas é carater, dignidade. as pessoas sao egoistas demais, c é doido...

gostei do texto.
^^

beijaoo ;*

Tojagal disse...

This comment has been removed because it linked to malicious content. Learn more.

Nelson disse...

pow bom texto...resumiu um pouco da problemática brasileira....O povo precisa deixar ser apenas povo e virar gente!

"Grite!Reivindique!Proteste!Não se entregue!"

xyurix disse...

o povo deveria ser eliminado é ótimo!

bem não sei se a anarquia é a solução, mas com certeza, melhoraria muito!
hein?!